Baías e Baronis - PSG vs FC Porto

Foto retirada do Record


Este vai ser um Baías e Baronis um pouco diferente. Como tenho um amigo a viver em Paris que decidiu ir ao jogo, apesar de ser um adepto da Académica pedi-lhe para descrever sucintamente a forma como viveu o jogo como favor especial aqui ao menino, já que habitualmente concordo com as opiniões dele sobre a bola. Vi o jogo na TV e de facto estou de acordo com o que esse arauto da língua lusa em terras francófonas pronuncia acerca da forma como o jogo decorreu. Assim sendo, os comentários dele estão abaixo, devidamente colocados em itálico (porque não há frânquico...nevermind). Ah, o último Baía e o último Baroni são meus, sem estar em itálico e com comentários personalizados. Por isso fica o meu agradecimento, rapaz. E saudades de beber uma bela cervejola contigo. E que para a próxima seja melhor o espectáculo! E aí vai aço:









(+) Ruben Micael. Meteu ordem no jogo.

(+) O meio-campo para trás, sem a bola. Tinha aspecto seguro, pelo menos donde estava sentado.

(+) Álvaro Pereira. Gosto.

(+) Hulk. Atitude, vontade de ganhar, único que sabia o que fazer com a bola do meio-campo para a frente.


(+) Fernando. Continua a ser o elemento mais importante do meio-campo, com Moutinho lento e com poucas ideias e hoje com Guarín numa posição onde poderia ter influência mas não conseguiu. Nota-se perfeitamente quando chega a um lance porque o mais provável é ganhar a bola ao adversário e seguir com ela controlada, segundo as ideias de Villas-Boas. Está melhor de jogo para jogo.









(-) Hulk. Quezilento, resineiro, levou a única assobiadela da tarde por se ter esquecido que estava num amigável.

(-) Miguel Lopes. Carrinho quase sempre desnecessário.

(-) Guarín. Enerva-me.

(-) Equipa toda. Vir em pré-época a Paris com um bom terço do estádio português e ir directo aos balneários sem sequer olhar para as bancadas é feio. Nem o Braga quando cá veio para a UEFA fez isso. Alguém tinha a obrigação de lhes ter explicado que representam mais do que apenas um clube.


(-) Jesualdite. Sei que é pré-época e que as experiências estão a ser feitas. Mas ao ver este jogo não pude deixar de pensar: "Porra, ainda é o Jesualdo no banco?!". Pois é, "old habits die hard", dizem os senhores da ilha que parece um L ao espelho, e hoje notou-se isso. Havia pouca movimentação no meio-campo, fraco entendimento nas transições, muito tempo de paragem para retomar posições, exageros óbvios dos laterais nas subidas com os extremos, hesitações permanentes no centro do terreno com Guarín a ocupar espaços de ninguém, Moutinho a não conseguir criar jogo, Rodríguez a não conseguir passar por ninguém, Falcao a falhar as poucas oportunidades que criámos e umas bolas paradas absurdamente mal defendidas. Hulk continua a ser a peça-chave, e quando está em dia mau, tudo corre pior. Não gostei de Guarín, mais uma vez, apesar de achar que pode voltar a ser importante quando fôr preciso defender aquele meio-campo. Uma coisa é certa: sem ritmo e organização não vamos lá, e hoje vi pouco de um e de outro.



Aparentemente o melhor da tarde, segundo o jovem autor das linhas de cima, foi ver o Totti a fazer de conta que aquecia. Um jogo sonolento, com ligeiro ascendente dum Paris de segunda linha, um Porto com ímpeto a mais no meio campo (leia-se, rispidez), e o Hulk a jogar sozinho. Acho que traduz bem o que se viu. Ainda estamos muito verdinhos para competição a sério, apesar de já levarmos 3 semanas de preparação. Como sempre tenho dito, é preciso ter paciência e aguentar o facto de não estarmos ainda a mostrar futebol suficiente para fazer frente a adversários que joguem com ritmo mais alto e acima de tudo com garra e vontade de vencer, que hoje pareceu faltar. Ah, e só mais uma coisinha: se o Villas-Boas colocar o Rodríguez e o Walter do mesmo lado, arriscamo-nos a ter de pagar uma multa por inclinar o terreno de jogo. É muito peso junto! Aposto que a Jennifer Lopez já telefonou ao Walter a dizer: "Olha, e trazeres-me o meu rabo de volta? Isso é que era!". Vão ter de perder uns quilinhos, vão...

3 comments:

Hintze disse...

A coisa está feia...

nuno disse...

Deixa-me que te diga uma coisa, sò para te sossegar.
Estava quente e abafado no Parc. Uma daquelas tardes do verão poluído de Paris em que é difícil respirar e o teu corpo nem sabe se há de suar ou não.
Assim sendo, não vi nenhuma equipa a jogar decentemente no sábado. Não havia condições para a prática do futebol. Pelo amor de deus, o Antunes jogou os 90mins e não destoou!

Mas diga-se também o seguinte,
perder com o Bordéus, ça va. é uma equipa de champions que tem um gajo chamado gourcouff. é normal perder contra uma equipa que tenha o gourcouff.
perder com o psg, ça va pas du tout. é uma equipa em crise de identidade, com um treinador mau, com um central, o sammy traoré, que ai meu deus... como descrever aquilo? ao longe parece o luisão, mas tem uns pés tão finos como a voz do ricardo. mas têm um makélélé no meio campo. e o makélélé é o makélélé.


resumindo, acalmaide-vos.
se os jornais vos dessem atenção, até poderia ser preocupante e desgastante para a equipa. mas ainda há vantagens do "momento mau da equipa" só aparecer na página 17 do record. :)

Jorge disse...

ainda é muito cedo, e pelo que vi realmente falta tempo para as coisas começarem a encarreirar.
só gostava é que o resto dos adeptos tivesse um mínimo de paciência para aguentar 3 dias sem espingardar. vê o post que acabei de colocar para perceberes o que digo.
esta gente é gado, pura e simplesmente.
obrigado pela opinião "in loco", é sempre diferente estar lá do que ver na tv :)

© 2008 Por *Templates para Você*